PIB, IDH, IDEB ou FIB. O que estas siglas têm em comum?

O que estas siglas têm em comum? O que as aproxima?

O desenvolvimento de um país ou nação   são mensuráveis, ou seja, pode-se medir.

 Existem vários critérios, principalmente, os econômicos para medir a riqueza produzida pelo povo, num determinado período de tempo. Mesmo  sendo basicamente quantitativos, esses índices  retratam, por vezes, questões sociais graves, como desigualdades de riquezas, de renda, social e qualidade de vida.

 PIB –  Produto Interno Bruto  é o  somatório  de todos os bens e serviços produzidos em uma economia. Esse índice avalia se a economia está crescendo e se o padrão de vida está melhorando.

IDH – Índice do Desenvolvimento Humano avalia três variáveis fundamentais  numa nação que são saúde, renda e educação.

IDEB – índice de Desenvolvimento da Educação Básica  criado  em  2007 que projeta  a meta  de 6 pontos  em 2021, verificando o  nível da qualidade educacional , em termos de proficiência e  aprovação da média dos países desenvolvidos.

FIB – Felicidade Interna Bruta. Este conceito  surgiu no Butão, um país  asiático região conhecida como Himalaia. os precursores  do FIB  acreditavam que a conservação ambiental e a qualidade de vida das pessoas representam  variáveis importantes no desenvolvimento de uma nação. Portanto, a FIB mensura não apenas  os aspectos quantitativos, mas também os qualitativos de uma nação.

Como medir a FIB?

A FIB é uma integração dos desenvolvimentos material, espiritual e cultural de um povo. Assim, ela se baseia em nove variáveis:

  1. bem-estar psicológico
  2. saúde  Física
  3. uso do tempo
  4. vitalidade comunitária
  5. educação
  6. cultura
  7. meio ambiente
  8. governança (representação social da população em órgãos públicos nas esferas do executivo, legislativo e judiciário; como também sua postura como cidadão) e, por último
  9. padrão de vida (renda familiar, dívidas, qualidade de moradia)

Bem estar psicológico

A expressão “inteligência emocional” foi definida por Daniel Goleman há   25 anos que vendeu mais de 5 milhões de livros.

De lá para cá, várias correntes têm demonstrado que o mais importante na vida do ser humano  são as suas emoções, pois por meio delas, podemos ser  doentes ou saudáveis.

O bem estar psicológico remete-nos à ideia de equilíbrio. De buscar soluções para as nossas questões existenciais.

O estresse como a depressão são doenças emocionais que poderá resultar na  falta de motivação ou de automotivação do  professor.

O IEC voltou com força total depois de amolar o machado

 “Existia numa comunidade muito pequena, um velho lenhador, conhecido por sempre vencer os torneios que participava.

Certo dia foi desafiado por um outro lenhador jovem e forte para uma disputa.

 O evento chamou a atenção de todos os moradores da localidade.

A maioria das pessoas acreditava que finalmente o velho perderia a condição de vencedor  dos lenhadores,  pois o jovem desafiante era mais forte e vigoroso.
 
No dia marcado, os dois competidores começaram a competição. O jovem se entregou com grande energia e  cortava a lenha com rapidez e determinação.. De vez em quando  olhava para o velho e, às vezes, percebia que ele estava sentado. Estava convicto de  que o adversário estava velho demais para a disputa, e continuou cortando lenha com todo vigor.

Ao final do prazo estipulado para a competição, foram medir a produtividade dos dois lenhadores. O velho vencera novamente, por larga margem, aquele jovem e forte lenhador.

Intrigado, o moço questionou o velho:
– Não entendo, muitas das vezes quando eu olhei para o senhor, durante a competição, notei que estava sentando, descansando, e, no entanto, conseguiu cortar muito mais lenha do que eu, como pode!!

– Engano seu! Disse o velho. Quando você me via sentado, na verdade, eu estava amolando meu machado. E percebi que você usava muita força e obtinha pouco resultado”.

E aqui estamos de volta, com o nosso machado amolado, prontos para  executar o PROEDUQUE.

PARA QUE IEC?

  1. prestar serviços institucionais com profissionalismo e  ética;
  2. atuar nos campos educacional, cultural, artístico e sócio esportivo, desenvolvendo programas e projetos com comunidades, escolas, famílias, movimentos sociais, associações empresariais e organizações públicas e privadas, que visem a melhoria da qualidade da educação em todos os níveis, inclusive o profissionalizante;
  3.  promover o desenvolvimento econômico-social e o combate à pobreza e à desigualdade social, a capacitação e a integração das pessoas ao mercado de trabalho, através de projetos construídos com as comunidades e organizações envolvidas, e por meio de articulação dos sistemas e dos agentes públicos e privados e do terceiro setor;
  4.  sensibilizar e capacitar indivíduos e instituições para o trabalho voluntário;
  5. promover ações em prol da defesa, preservação e conservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável;
  6.  desenvolver e executar projetos voltados para experimentação, não lucrativa, de novos modelos socioeducativos e de sistemas alternativos de produção, prestação de serviços, comércio e crédito;
  7.  projetar e desenvolver atividades formativas (cursos, treinamentos, seminários) correlatas aos fins do Instituto;
  8. obter recursos através de prestação de consultoria e, ou, explorações econômicas, comercialização e outras que se fizerem necessárias, a fim de complementar o adequado suporte financeiro ao melhor desenvolvimento das atividades  voluntárias  exercidas pelo IEC;
  9. promover a gestão de pesquisas e experimentações científico-tecnológicas, bem como promover cursos e treinamentos especializados com objetivos científicos ou profissionais;
  10. promover e incentivar, por quaisquer formas, o desenvolvimento das ciências, das artes,  da cultura e da cidadania;
  11. orientação da melhora do desempenho do ser humano no campo pessoal e profissional;
  12. aperfeiçoamento dos profissionais   na área educacional;

POR QUE IEC?

A falta de motivação dos professores é uma das principais causas do fracasso escolar. Além da defasagem salarial, outros fatores contribuem para a baixa autoestima e consequente perda da saúde física e emocional desses profissionais. O motivo que leva à descrença profissional e pessoal está registrado na mente inconsciente de cada ser humano, portanto vale lembrar que, sem o desejo de ensinar, o professor se depara com alunos que também não possuem o desejo de aprender. E, neste círculo vicioso, a escola brasileira de Educação Básica gera insatisfações e frustrações acadêmicas e pessoais.

 Não cabe aqui criticar, apontar culpados, pois estes fatores não interferem na busca de resultados positivos. Mas, sim, buscar alternativas criativas e inovadoras que proporcionarão bem-estar físico, emocional e espiritual nas salas de aulas. Conhecer os mecanismos do cérebro, desvendar a comunicação intrapessoal e ressignificar crenças é o caminho que encontramos para libertar o profissional da educação de velhos hábitos e condicionamentos.  Recorremos à programação neurolinguística ( PNL) que é um conjunto de técnicas e crenças utilizadas pelos praticantes, visando principalmente ao desenvolvimento pessoal e profissional.

Além da PNL, trabalhamos também com outras teorias da mente e do comportamento humano como: Teoria das Inteligências Múltiplas ,Análise Transacional, Constelações Sistêmicas, Inteligência Emocional. Desenvolvemos pesquisas na área educacional e empresarial, constatando que a mente, o corpo e a linguagem interagem para criar a percepção que cada indivíduo tem do mundo e tal percepção pode ser alterada pela aplicação de uma variedade de técnicas. A fonte que embasa tais técnicas, chamada de modelagem, envolve a reprodução cuidadosa dos comportamentos e crenças de pessoas que atingiram a realização pessoal e profissional plenas em suas vidas.

Fundação do IEC

O Instituto de Educação e Cidadania (IEC), fundado em 2008, recebeu a qualificação de OSCIP

Federal em fevereiro de 2012.

A história do IEC teve início em1995 com o trabalho da Professora Cleise Souza ao publicar a obra “Educação: uma visão pós moderna”. Enquanto trabalha em parceria com várias escolas públicas e privadas do país, o IEC continua a pesquisar novas soluções ,

buscando também formas diversificadas de preparar cidadãos conscientes e éticos.

Todas as ações são solidificadas por meio de livros, palestras e cursos que já foram oferecidos para mais de 100 mil profissionais em todo o território nacional.

E após 12 anos de fundação o IEC  se insere no mercado digital  tendo como meta se reestabelecer por meio da educação à distância com produtos, cursos e serviços em prol de  uma educação básica de qualidade nas escolas  brasileiras.