O REIKI COMO FORMA TERAPÊUTICA por Luciana Fernandes

Luciana Fernandes

O adoecimento psicológico por meio do trabalho tem despertado a atenção da sociedade atualmente.

Uma das profissões que provocam forte preocupação referente à saúde mental é a docência, especialmente em relação as profissionais que atuam na Educação Básica brasileira.

Cada vez mais desgastados, sem energia para lidar com o mau comportamento dos alunos, atendimentos às famílias, a carga pesada de trabalho e a pressão mental, os professores adoecem.

O professor do nível básico de ensino possui papel significativo para o desenvolvimento cognitivo, emocional e social de crianças e adolescentes, uma vez que a fase da escolarização é fundamental na constituição psicológica destes, é também o principal mediador do aluno ante a educação formal. Considerando-se a relevância do papel social do professor, entende-se o impacto que o adoecimento docente acarreta não somente ao trabalhador, mas também à escola e a sociedade como um todo.

A pandemia obrigou milhares de professores se adaptarem rapidamente ao ambiente virtual em condições, na sua maioria, adversas.

Para oferecer um mínimo de qualidade para os alunos, docentes precisaram investir, muitas vezes sem suporte financeiro, em equipamentos, técnicas e recursos tecnológicos.

Sem falar das condições para o retorno às aulas presenciais não cumpridas, colocando a integridade física e emocional de toda comunidade escolar em risco.

Alguns sinais do adoecimento dos professores:

  • Dificuldade em lidar com as próprias emoções, irritando-se ou chorando com muita facilidade;
  • Desânimo recorrente e apatia com os acontecimentos;
  • Mudanças de peso repentinas;
  • Cansaço aparente e frequente;
  • Insônia ou sono em excesso;
  • Atrasos recorrentes para iniciar as aulas;
  • Perdas de memória durante as aulas;
  • Sensação de angústia e desesperança;
  • Momentos de paralisia diante de dificuldades cotidianas.

Uma forma muito eficiente, além diálogos com toda comunidade escolar é oferecer suporte e montar redes de apoio com médicos, psicólogos e terapeutas.

Dessa maneira, consegue-se ter uma ajuda mais direcionada aos docentes.

Assim as PICS, As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças como depressão e hipertensão, podendo ser usadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas

Pesquisas recentes comprovam efeitos benéficos e até encontram explicações científicas para o Reiki. Estudos sobre o assunto, antes restritos às universidades orientais, ganharam espaço entre pesquisadores americanos, europeus e até brasileiros. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou uma denominação especial para esses métodos: são as terapias integrativas e vem sendo utilizado em diversos hospitais pelo Brasil na busca de alivio dos sintomas incômodos alcançando taxas de recuperação.

O Reiki é uma das Práticas Integrativas e Complementares (PICS) reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) ofertada a indivíduos em situação de saúde e de doença.

O Reiki é aplicado por imposição das mãos no corpo do enfermo a uma certa distância ou em posições inerentes tratando pontos vitais do corpo (chacras), trazendo:

  • Equilíbrio das energias;
  • Aumento da energia vital;
  • Aumento da criatividade;
  • Liberação das emoções;
  • Rejuvenescendo das células;
  • Relaxamento físico e mental;
  • Proporciona um sono tranquilo e reparador, entre outros benefícios.

            A prática do Reiki responde perfeitamente aos novos paradigmas de atenção em saúde, que incluem dimensões da consciência, do corpo e das emoções.

Sou Luciana, professora da rede privada de BH, reikiana e busco através das terapias integrativas mais saúde e bem-estar.  Posso ajudar você, caro colega a ter mais equilíbrio e saúde

@luciana_fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *